970×90

Não caia em golpes previna-se dos prejuízos financeiros

Golpes financeiros

Volta e meia na comunidade se tem notícia de que algum novo golpe ou pirâmide que visa enganar incautos que perdem o dinheiro ganho a duras penas. O fim de tudo todos já sabem – centenas, milhares de lesados que ficarão no prejuízo e os triunfantes incentivadores as vezes se juntam aos lesados sem ter a quem reclamar. Veja abaixo alguns casos de delitos onde os responsáveis foram presos ou fugiram impunemente para o Brasil.

Karl Vasconcelos
Entre 2000 e 2002, Karl Vasconcelos vendeu em Framingham 1.746 cartões de social security para imigrantes indocumentados por preços que variavam entre US$ 2 mil e US$ 2,5 mil, arrecadando aproximadamente US$ 3,9 milhões. Só em Massachusetts foram vendidos 868 cartões, e até um funcionário do Social Security Administration do Texas fazia parte da quadrilha de Karl Vasconcelos, que foi sentenciado em 2003 a cumprir uma pena de cinco anos e três meses, além de ter os seus bens confiscados pelo governo federal. Todos os que compraram os cartões do social security foram localizados, se declararam culpados e foram deportados. Já o funcionário federal foi sentenciado a cinco anos e onze meses.

José Neto
José Neto, o Zelão era dono de uma companhia de limpeza e morava em Allston, e foi um dos que supostamente compraram o cartão do social security de Karl Vasconcelos. Quando foi chamado a depor, tentou corromper o agente da imigração que autorizado por seus superiores fingiu aceitar dinheiro para mudar o status imigratório de Zelão e sua esposa. Os encontros foram filmados e fotografados, até que Zelão fosse preso junto com outras 57 pessoas. Num dos encontros o agente do ICE disfarçado recebeu US$ 20 mil, e em outros encontros José Neto pagava adicionais que variavam entre US$ 4 e US$ 5 mil para que vários imigrantes indocumentados fossem liberados. Muitos deles eram empregados da empresa de José Neto, que admitiu culpa e foi condenado a uma pena de cinco anos.

Chelsea
Em agosto de 2008 foi a vez de 27 brasileiros serem presos no estacionamento de um supermercado em Chelsea quando se preparavam para ir num ônibus receber documentos que iam de green card, cartões do social security e carteira de motorista. Todos eles haviam caído numa armadilha de um agente do ICE que os arregimentou em Framingham e prometeu regularizar as suas situações mediante pagamentos que variavam em torno de US$ 10 mil. conformar com a situação e todos eles foram processados e deportados. Entre os presos haviam famílias inteiras, e o caso ganhou repercussão nos principais meios de comunicação brasileiros. O principal intermediário foi um agente do ICE conhecido como “Português”. Somente sete deles foram acusados de conspiração.

Eudes Souza
Prometeu arrumar autorizações de trabalho para pelo menos quatro pessoas das quais recebeu aproximadamente US$ 15 mil. Uma das pessoas lesadas por Eudes Souza chegou a deixar o seu emprego em Minas Gerais porque o espertalhão prometeu imediatamente a emissão do visto. O modus operandi de Eudes envolvia “Sonia”, que segundo ele era funcionária do consulado americano em São Paulo, que facilitaria as coisas mediante pagamento. Só que nunca existiu funcionária alguma no esquema e era a forma que Eudes usava para enganar pessoas honestas. Uma das pessoas enganadas teria que pagar cerca de US$ 10 mil pelo processo todo, dinheiro que iria para o bolso dele.

Mesa da Fé, Elite Activity Ressurect e TelexFREE
As pirâmides deixaram na mão muitas pessoas que tomaram prejuízos financeiros, tão logo a imprensa noticiou o fato, os responsáveis pelas duas primeiras ameaçaram processar quem publicasse qualquer notícia acerca das práticas, porém tudo não passou de ameaças. No caso da Mesa da Fé, o principal responsável pela introdução da pirâmide foi embora para o Brasil, já na pirâmide Elite, ninguém foi preso aqui Massachusetts. A polícia de Goiás, prendeu religiosos envolvidos no esquema. A característica de ambas as pirâmides era a participação de pastores e religiosos. Já a TelexFREE deixou um rastro de prejuízos enorme . Para ler e saber mais da TelexFREE clique aqui, aqui e aqui. Willian Francis Galvin, então titular da Secretary of the Commonwealth of Massachusetts, publicou uma cartilha em diversos idiomas – inclusive em português com alertas sobre fraudes, esquemas financeiros e pirâmides que pode ser lida aqui.

Imagem meramente ilustrativa; reprodução Facebook

About The Author

Related posts

Deixe um Comentário

Translate »