970×90

Estados Unidos fazem cúpula contra o extremismo violento

Começa nesta quarta-feira, 18, em Washington uma reunião de cúpula internacional contra o extremismo violento. Promovido pela Casa Branca, o encontro teve os trabalhos iniciados na terça-feira, 17, onde presidente Barack Obama deve proferir um discurso inaugural, segundo a agenda oficial.

A cúpula será realizada poucos dias depois do ataque terrorista em Copenhague, na Dinamarca, e da execução de uma trabalhadora humanitária americana que era refém do Estado Islâmico na Síria.

Na quinta-feira, 19, Obama deve se reunir com representantes do Departamento de Estado e com ministros de vários países, além de integrantes das Nações Unidas, como o secretário-geral do organismo, Ban Ki-moon. A União Europeia também será representada. Segundo a Casa Branca, mais de 60 países, incluindo 14 nações árabes, estarão presentes na cúpula.

O encontro em Washington ocorre uma semana depois de Obama ter pedido o apoio do Congresso norte-americano no combate ao Estado Islâmico, em uma declaração que não estabelece limites geográficos nem contempla operações terrestres e que deverá servir de base legal à ofensiva em curso.

A proposta determina que a autorização termine três anos após a data de promulgação da resolução, período durante o qual a Presidência deve se reportar ao Congresso a cada seis meses – prazo que pode ser renovado.

Os Estados Unidos lideram desde setembro uma coligação internacional de combate aos jihadistas do Estado Islâmico no Iraque e na Síria.

Até o momento, quatro cidadãos norte-americanos que tinham sido feitos reféns pela organização foram executados. A última vítima foi a trabalhadora humanitária Kayla Mueller, 26 anos, raptada em 2013 na Síria pelo grupo jihadista, que proclamou um “califado” no Norte do Iraque e da Síria em junho do ano passado.

Um dos pontos debatidos deve ser como evitar o recrutamento de jovens estrangeiros ocidentais. Segundo estimativas de organismos internacionais e da imprensa, o grupo teria entre 20 mil e 30 mil combatentes, 15 mil oriundos da Tunísia, Arábia Saudita, de Marrocos, da Jordânia e Turquia.

Uma das preocupações entre os países ocidentais e também os árabes que condenam a ação do Estado Islâmico é que os jovens estrangeiros recrutados regressem aos países de origem e cometam atentados terroristas.

Fonte: Agência Brasil/EBC
Leandra Felipe – Correspondente da Agência Brasil/EBC Edição: Graça Adjuto

About The Author

Related posts

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *

Translate »